Chilenos ainda divididos sobre o golpe militar

Trinta anos depois do golpe que derrubou o presidente socialista Salvador Allende, 87% dos chilenos consideram que o país ainda continua dividido com relação à ditadura militar que se seguiu, segundo uma pesquisa divulgada hoje. A sondagem, feita por telefone pela Fundação Futuro, mostrou também que 42,8% dos entrevistados consideram que se deve buscar a verdade e a justiça sobre as violações aos direitos humanos cometidas entre 1973 e 1990, período da ditadura do general Augusto Pinochet. Outros 10,5% acreditam que os militares devem pedir perdão pelos excessos cometidos, enquanto que 17,2% afirmam que o tema deveria ser esquecido. A pesquisa foi realizada entre 30 de junho e 1º de julho em Santiago e nas principais cidades do país. A margem de erro é de 4,9 pontos porcentuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.