Chilenos rejeitam legalização da maconha

Uma rejeição por ampla maioria à legalização da maconha, proposta por um senador chileno, foi o que demonstrou uma pesquisa promovida por um jornal de Santiago. A sondagem que ouviu 400 pessoas, encomendada pelo jornal El Mercurio, mostrou que 72,3% dos consultados na capital chilena consideram que a legalização aumentaria o consumo da droga. Apenas 16,5% disseram que o nível de consumo baixaria com a liberação do uso da erva. Dos entrevistados, 86,5% indicaram também que o consumo do estupefaciente é prejudicial. O senador independente Nelson Avila apresentou um projeto para legalizar o consumo público da maconha. Atualmente, as leis do Chile não prevêem penalidades para o uso individual privado de drogas. O levantamento efetuado entre 21 e 23 de junho na capital chilena, onde vivem cerca de 40% da população do país, mostra ainda que os chilenos têm agora maior tolerância em relação à homossexualidade. Foi o que 30,8% deles indicaram, embora 54% dos consultados não aceitem o casamento entre homossexuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.