Saul LOEB / AFP
Saul LOEB / AFP

China admite obstáculos, mas defende diálogo entre Trump e Kim

Ministro das Relações Exteriores chinês recebeu visita de chanceler norte-coreano e reiterou disposição de Pequim para desempenhar ‘papel construtivo’ nas negociações entre EUA e Coreia do Norte

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2019 | 04h04

PEQUIM - A China reconheceu que existem dificuldades "inevitáveis" nas negociações entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos, mas pediu que as duas partes sejam "pacientes" e continuem o diálogo para buscar uma solução política.

"As dificuldades são inevitáveis, já que as negociações entre Coreia do Norte e EUA tocaram em assuntos profundamente enraizados", afirmou o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, em entrevista para a agência estatal de notícias "Xinhua", após encontro com o vice-chanceler norte-coreano, Ri Kil-Song.

A visita oficial do norte-coreano a Pequim coincidiu com o final abrupto da cúpula entre o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o presidente americano, Donald Trump, em Hanói, devido a uma discordância na negociação para a desnuclearização da península.

Apesar da incerteza no futuro do processo de distensão, Pequim reiterou sua disposição em seguir desempenhando um "papel construtivo" no processo de diálogo.

"A China espera que a Coreia do Norte e os Estados Unidos consigam consolidar a confiança, permanecer pacientes, continuar as conversas, encontrar-se no meio do caminho e fazer incansáveis esforços para alcançar o objetivo", acrescentou o chanceler chinês.

Em relação ao seu encontro com o vice-ministro norte-coreano, Wang explicou que China e Coreia do Norte estão preparando a celebração da comemoração do 70º aniversário do estabelecimento das suas relações diplomáticas.

O objetivo, ele acrescentou, é implementar o consenso alcançado por Kim e pelo presidente chinês Xi Jinping e fortalecer suas relações de amizade "para um novo nível".

Nos últimos dias, as autoridades chinesas se recusaram a comentar sobre uma possível parada na China de Kim durante sua viagem de volta à Coreia do Norte em um trem blindado para se encontrar com Xi e informá-lo dos resultados de seu encontro com Trump. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.