China admite que falta de qualidade prejudica seus produtos

Mesmo tendo se tornado um gigantecomercial, a China perde competitividade devido à falta decontroles rígidos de qualidade sobre seus produtos, disse ochefe da agência nacional de fiscalização de produtos do país. As declarações de Li Changjiang, diretor da AdministraçãoGeral para Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena,foram divulgadas um dia depois de a China anunciar o envio defuncionários aos Estados Unidos neste mês e no próximo. A visita diplomática servirá para tentar contornar ospossíveis efeitos da uma série de escândalos provocados porprodutos chineses inadequados para exportação, como raçõesanimais, cremes dentais e brinquedos com tinta tóxica. O senador democrata Charles Schumer, crítico contumaz daspráticas comerciais chinesas, pediu ao Departamento de Estadodos EUA que pressione Pequim a abrir suas fábricas a inspeçõesnorte-americanas. No mês que vem, o presidente George W. Bush recebe asrecomendações de uma comissão sobre segurança das importações,e parlamentares já preparam vários projetos destinados aaumentar a fiscalização sobre os produtos estrangeiros. Li, do órgão chinês de fiscalização de qualidade, alertouseus subordinados que a tolerância com defeitos eirregularidades está abalando o poderio comercial do país,disse na quinta-feira o Diário do Povo. "Entramos nas fileiras dos grandes comerciantes, mas aindaestamos muito longe de sermos uma potência comercial, e a razãofundamental é que nossa competitividade quanto à qualidade dosprodutos não é forte", disse ele a subordinados dias atrás. "Aqualidade é um símbolo da força nacional", resumiu. Nesta semana, a Mattel, maior empresa norte-americana debrinquedos, anunciou o "recall" de 18,2 milhões de peçasproduzidas na China e distribuídas no mundo todo, sendo 9,5milhões nos Estados Unidos. O Brasil também foi afetado pelorecall. Os brinquedos contêm ímãs pequenos e destacáveis, que podemser engolidos por crianças, e também pigmentos com chumbo. O Ministério do Comércio chinês defendeu os produtos dopaís e prometeu investigações sobre os problemas apontados. Poroutro lado, o órgão repetiu a versão oficial do regimecomunista de que a imprensa estrangeira exagera o assunto. "Há parte da mídia e pessoas irresponsáveis que, sem basenenhuma, atacam a qualidade geral dos bens chineses, citandoproblemas com produtos específicos", disse o porta-voz WangXinpei em entrevista coletiva. "As reportagens não podem enxergar o quadro geral. Usamcasos individuais para descrever a situação geral, e alguns atémesmo extrapolam deliberadamente na cobertura. Não sãoracionais e às vezes são maliciosos." No começo do mês, a Mattel já havia decidido recolher 1,5milhão de brinquedos para crianças em idade pré-escolar devidoà presença excessiva de chumbo na tinta. Dias depois, o dono dafábrica Lee Der, que havia produzido aquelas peças, cometeusuicídio. Um assessor de imprensa da Lee Der disse que a empresa usoutinta de um antigo fornecedor, mas que havia recebidocertificação falsa. (Reportagem adicional de Zhou Xin e Ben Blanchard)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.