China adota versão norte-coreana

Pequim defende direito da Coreia do Norte de ?usar pacificamente? seu espaço e pôr em órbita um satélite

Cláudia Trevisan, PEQUIM, O Estadao de S.Paulo

08 de abril de 2009 | 00h00

A China defendeu ontem o direito da Coreia do Norte de fazer uso pacífico de seu espaço e afirmou que o Conselho de Segurança da ONU deve ser prudente em sua reação ao lançamento de um foguete por Pyongyang no domingo.A imprensa oficial de Pequim adota a mesma versão do país vizinho e sustenta que a operação teve por objetivo colocar em órbita um satélite de comunicação. Os EUA condenaram o que qualificaram de um lançamento experimental de um míssil de longo alcance, que poderia ser armado com uma ogiva nuclear e atingir os Estados americanos do Havaí ou Alasca.O porta-voz da chancelaria chinesa, Jiang Yu, disse ontem que o conflito tem de ser resolvido por meio da negociação entre o grupo dos seis, que reúne China, Coreia do Norte, EUA, Japão, Coreia do Sul e Rússia. As discussões estão paralisadas desde dezembro.Os EUA defendem que o Conselho de Segurança tenha uma reação contundente contra o gesto de Pyongyang, que consideram provocativo. Ontem, o embaixador norte-coreano na ONU, Pak Tok-hun, advertiu ao Conselho de Segurança que Pyongyang pode adotar "duros passos" se for punido. "Há semelhanças e também diferenças entre a tecnologia de foguetes e mísseis. É diferente lançar satélites, mísseis e armas nucleares. A questão também envolve o direito dos países de usar o espaço de modo pacífico", disse o porta-voz chinês. A versão norte-coreana, ratificada pela China, é a de que o país usou o foguete para pôr um satélite de comunicação em órbita e, portanto, não teria violado regras internacionais. ALIANÇA COMUNISTA Parceiro comercial: A China é o maior aliado e parceiro comercial da Coreia do Norte Refugiados: O governo chinês teme uma invasão de refugiados norte-coreanos caso ocorra uma ação militar na Coreia do Norte ou outro evento desestabilizador Diálogo: Pequim tem patrocinado nos últimos anos conversações do chamado grupo dos seis - as duas Coreias, Japão, EUA, Rússia e China - para obter o fim do programa nuclear norte-coreano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.