China afirma fazer esforço para controlar a pirataria online

A China está se esforçando por conter osavanços da pirataria online, especificamente os casos queenvolvem o download ilegal de filmes, música e livros, eprecisa de punições mais severas, disse um importantefuncionário do governo na quinta-feira. O número de casos que surgiram no ano passado foi duasvezes superior ao dos dois anos precedentes combinados e, com orápido desenvolvimento da tecnologia, reprimir essas práticasestá se tornando mais difícil, disse Yan Xiaohong, vice-diretorda Administração Nacional de Direitos Autorais. "Ainda que nossas campanhas de retificação tenham obtidoresultados iniciais óbvios, devemos reconhecer claramente quenão surgiu uma grande mudança para melhor no ambiente deproteção aos direitos autorais na Internet de nosso país", eleafirmou em entrevista coletiva. "Especialmente devido ao rápido desenvolvimento datecnologia de Internet, os casos de pirataria online estãoproliferando e a luta está longe do fim", acrescentou. As multas e sentenças aplicadas aos responsáveis por essetipo de delito até agora talvez não tenham sido fortes obastante, afirmou. "Porque a situação é tão séria, deveríamosimpor multas mais pesadas, nos limites da lei", disse Yan. A China tinha 210 milhões de usuários de Internet em 2007,e ficava atrás apenas dos Estados Unidos, e seu número deusuários de Internet deve se tornar o maior do mundo no começodeste ano, informou na quinta-feira a agência de notíciasXinhua, citando fontes do setor. O governo mantém firme controle sobre a Internet, por meiodo que algumas pessoas designam "o grande firewall da China",bloqueando acesso a sites estrangeiros considerados hostis aosinteresses chineses, como o da seita proibida Falun Gong, ecensurando conteúdo doméstico. Gao Feng, vice-diretor da divisão de crimes econômicos doServiço de Segurança Pública, disse que não haveria descansonos esforços por "limpar" a Internet de conteúdo indevido. "Nós empregaremos todas as forças policiais que foremnecessárias a realizar essa tarefa", ele declarou, sem ofereceroutros detalhes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.