China afirma ter acabado com ameaça de inundação

Metade das águas de lago formado após terremoto é drenada para vale

Pequim, O Estadao de S.Paulo

11 de junho de 2008 | 00h00

A China anunciou ontem que obteve uma "vitória decisiva" contra a ameaça representada por um lago formado após o terremoto de 12 de maio na Província de Sichuan (sudoeste) para mais de 1,3 milhão de moradores da região. O líder do Partido Comunista de Sichuan, Liu Qibao, proclamou a vitória após as águas do Lago Tangjiashan baixarem graças às intensas operações de drenagem. Ele disse que metade dos 250 milhões de metros cúbicos de água foi drenada para o vale. Liu acrescentou que agora apenas 50 mil pessoas seriam afetadas em caso de transbordamento.Mais de 250 mil pessoas que moravam nas áreas mais baixas do povoado de Beichuan foram retiradas da região após os deslizamentos de terra bloquearem o curso de um rio, formando o enorme lago. Durante vários dias, os soldados usaram dinamite e até armas antitanque para retirar pedras e montes de terra na tentativa de acelerar a vazão da água e aliviar a pressão sobre as margens instáveis do lago.Ainda ontem, três tremores secundários com magnitude superior a 5 graus na escala Richter atingiram áreas remotas no noroeste da China. Não foram divulgadas informações sobre vítimas ou danos. O terremoto de 8 graus que atingiu a Província de Sichuan no dia 12 devastou várias cidades e deixou quase 70 mil mortos e 17.500 desaparecidos, segundo o balanço oficial.Monges budistas do Tibete, incluindo alguns que protestaram contra as autoridades chinesas em março, doaram US$ 168 mil para ajudar as vítimas do terremoto, informou ontem a agência estatal Nova China. O terremoto levou a uma "trégua" entre o governo chinês e os grupos tibetanos pró-independência que se manifestavam contra Pequim.O governo chinês pediu ontem que o dalai-lama e seus seguidores ponham fim aos protestos no Tibete e a suas "tentativas de arruinar a Olimpíada", a fim de criar condições para uma rodada de conversações. Os EUA e a União Européia pediram à China que seu diálogo com representantes do dalai-lama seja "substancial" e o país respeite os direitos humanos.PANDASQuase um mês após o terremoto, a Reserva Natural Wolong enterrou ontem a panda Mao Mao, de 9 anos. Mãe de cinco filhotes, ela foi encontrada na segunda-feira soterrada sob os destroços de uma parede de seu cercado. Outro panda, entre os 64 da reserva, está desaparecido. AP, AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.