China agradece ofertas de ajuda após terremoto

A China agradeceu as ofertas de ajudainternacional na terça-feira após um terremoto matar quase 12mil pessoas e afirmou estar comovida pela demonstração deapoio. No entanto, o Ministério do Exterior não disse claramentese a China, cujo papel nos últimos anos mudou de recebedora deauxílio para doadora, em meio ao crescimento da sua economia,aceitaria as ofertas. "Expressamos nosso agradecimento e gratidão. Departamentosrelevantes da China e os departamentos de resgate agradecempela ajuda da sociedade internacional e também estão dispostosa manter comunicação com países e organizações importantes",disse o porta-voz do ministério, Qin Gang, em entrevistacoletiva. Estados Unidos, Grã-Bretanha, União Européia, Japão, Coréiado Sul e Taiwan ofereceram assistência. As condolências chegaram de todo o mundo. "Eu estendo minhas condolências aos feridos e às famíliasdas vítimas do terremoto de hoje na província de Sichuan naChina", disse o presidente norte-americano, George W. Bush, emnota. As Nações Unidas se disseram prontas para ajudar a Chinanos seus esforços para atender às vítimas do desastre, afirmouo secretário-geral Ban Ki-Moon. O ministro de Relações Exteriores do Japão, MasahikoKomura, afirmou que o país forneceria ajuda se a China fizer umpedido. O Japão já enfrentou um devastador terremoto em Kobe em1995, no qual morreram mais de 6.400 pessoas, com estimativa deprejuízo de 100 bilhões de dólares. O Partido Nacionalista de Taiwan, que em breve ocupará ogoverno, procurou a sua antítese, os comunistas, que venceram aguerra civil chinesa em 1949 e empurraram os derrotados para oexílio. Qin afirmou que apesar do tremor em Sichuan, a China estápronta para enviar mais auxílio às vítimas do ciclone emMianmar se for necessário. A China já ofereceu cerca de 5milhões de dólares ao país, onde cerca de 1,5 milhão desobreviventes estão diante da fome e de doenças após a passagemdo ciclone Nargis pelo delta do Irrawaddy há 11 dias. (Reportagem adicional de Linda Sieg em Tóquio e JonHerskovitz em Seul) (Reportagem de Guo Shipeng)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.