China alerta Japão e Filipinas acusam China na disputa sobre limites marítimos

A China alertou o Japão nesta sexta-feira a ficar fora da disputa com os países vizinhos a respeito do Mar do Sul da China, num momento em que as Filipinas acusaram Pequim implicitamente de atrasar as negociações destinadas a encontrar uma solução.

SUI-LEE WEE E MANUEL MOGATO, Reuters

23 Maio 2014 | 10h01

A China reivindica praticamente todo o Mar do Sul da China e rejeita as demandas por parte da região marítima pelo Vietnã, Taiwan, Filipinas, Malásia e Brunei, em um das disputas mais conflituosas da Ásia. Os chinesas também estão envolvidos em outra disputa marítima com o Japão acerca de algumas ilhas no Mar do Leste.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, expressou preocupação na quinta-feira sobre as tensões regionais, que ele disse serem provocadas por "perfurações unilaterais", após a China ter deslocado uma enorme plataforma de petróleo para as águas em disputa, uma movimentação condenada pelas Filipinas, Vietnã e os Estados Unidos.

"O comunicado japonês sobre o assunto ignora a realidade e confunde os fatos, além de usar uma motivação política para interferir na situação do Mar do Sul da China com propósitos secretos", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China Hong Lei, em seu contato diário com a imprensa.

"Nós queremos que o lado japonês adote consistentemente ações realistas para proteger a paz e a estabilidade da região."

As Filipinas culpam mudanças em regras básicas pelo atraso nas negociações sobre o fim da disputa, em uma aparente referência à China.

As Filipinas pressionam por um "código de conduta".

"O código de conduta tem demorado para surgir, nós estamos discutindo isso pelos últimos sete ou oito anos, e também nos perguntamos a causa desse atraso", disse a subsecretária do Ministério das Relações Exteriores das Filipinas, Laura del Rosario.

Del Rosario, falando em um painel do Fórum Econômico Mundial sobre segurança, disse que "mudanças" ocorreram no local desde que as negociações começaram, sem mencionar a China especificamente.

Na semana passada, o Ministério das Relações Exteriores das Filipinas divulgou imagens de monitoramento de um recife mostrando o que disser ser uma ocupação chinesa e a construção do que parece ser uma pista de pouso.

(Reportagem adicional de Stuart Grudgings, em Kuala Lumpur, e Nguyen Phuong Linh, em Hanoi)

Mais conteúdo sobre:
CHINA JAPAO FILIPINAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.