China alerta para 'luta de vida e morte' pelo Tibet

A China alertou para uma batalha de"vida e morte" com o Dalai Lama na terça-feira (quarta-feira nohorário local), ao tentar acabar com a onda de protestos naregião do Tibet, que resultou em prisões e aperto do controlepolítico. O premiê chinês, Wen Jiabao, acusou o líder espiritualtibetano de planejar os protestos --que culminaram em tumultosna sexta-feira na capital do Tibet, Lhasa-- desde sua base nacidade indiana de Dharamsala, onde ele vive em exílio. "Estamos no meio de uma dura luta envolvendo sangue e fogo,uma luta de vida e morte com a camarilha do Dalai", disse ZhangQingli, secretário do Partido Comunista do Tibet, em umateleconferência dos líderes da região e da sigla. "Líderes de todo o país devem entender profundamente como éardorosa, complexa e de longo prazo a natureza da luta",afirmou ele em comentários publicados online pelo China TibetNews. A mídia estatal chinesa diz que 105 pessoas se renderam àpolícia por participarem dos protestos em Lhasa apósautoridades fixarem um prazo até a meia-noite para osmanifestantes se entregarem nos tumultos que funcionários doDalai Lama acreditam terem matado 99. A China, cujas tropas comunistas entraram no Tibet em 1950após tomarem o controle de Pequim, estima em 13 o número demortos em Lhasa. A mídia estrangeira não tem acesso à área sema permissão do governo, dificultando a verificação dasfatalidades. (Por Lindsay Beck)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.