China ameaça retaliar e agrava crise com Japão

O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, afirmou que seu governo adotará retaliações contra o Japão caso o país não liberte de maneira imediata e incondicional o capitão chinês preso pela guarda costeira japonesa no dia 7, em águas disputadas pelos dois países.

Cláudia Trevisan CORRESPONDENTE / PEQUIM, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

Na primeira declaração pública de um dirigente chinês sobre a crise, Wen ressaltou que o progresso alcançado no relacionamento entre China e Japão nos últimos anos foi "arruinado" pela prisão. No domingo, a China suspendeu contatos bilaterais em nível ministerial e provincial com o país vizinho, em resposta à decisão do Japão de prorrogar por 10 dias a prisão do capitão Zhan Qixiong.

O conflito tem como pano de fundo o controle de um grupo de pequenas ilhas chamadas de Diaoyu, em chinês, e Senkaku, em japonês, ricas em gás natural. Em Tóquio, o secretário-chefe do gabinete do premiê, Yoshito Sengoku, pediu que as duas partes tenham "conversas de alto nível o mais rápido possível" para resolver o assunto.

Uma flotilha de ativistas partiu ontem de Hong Kong em direção às ilhas para reivindicar a soberania chinesa. O conflito entre os dois países ocorre no momento em que a China supera o Japão e assume o posto de segunda maior economia do mundo, o que a coloca na posição de país central no arranjo de forças da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.