China aperta vigilância da Internet após confrontos em Xinjiang

Habitantes de capital regional relatam que acesso à rede foi suspenso; pelo menos 156 morreram em protestos

Reuters,

06 de julho de 2009 | 19h22

A China fechou o cerco contra a Internet na capital da província de Xinjiang, no noroeste do país, nesta segunda-feira, 6, na esperança de cortar o fluxo de informações sobre os distúrbios étnicos na região que deixaram 156 mortos. O governo culpou separatistas muçulmanos exilados pelos confrontos de domingo na cidade de Urumqi - o pior no país desde a repressão militar contra manifestantes em Tiananmen, em 1989.

 

Veja também:

linkPelo menos 156 morrem em protestos de muçulmanos na China

linkEUA pedem que China mostre 'moderação' em protestos

video Vídeo com os protestos (no YouTube)

lista Entenda: Xinjiang, área de maioria muçulmana que incomoda Pequim

Alguns habitantes de Urumqi, capital regional de Xinjiang, disseram que foram avisados de que não haveria acesso à Internet durante as próximas 48 horas. "Desde ontem à noite não tenho conseguido entrar na Internet", afirmou o dono de loja Han Zhenyu à Reuters por telefone.

"Não tem Internet aqui. Amigos me disseram que não conseguem entrar na Internet também", disse um vendedor de telefones celulares que só quis dar seu sobrenome, Zhang. Os sites da cidade de Urumqi e dos governos locais de Xinjiang também não estavam funcionando.

Mas o governo parece ter levado a medida ainda mais longe, sendo que usuários em Pequim, capital do país, e no centro financeiro Xangai têm reclamado que a rede social Twitter também foi bloqueada. Fanfou.com, uma concorrente local do Twitter, continuava acessível, mas pesquisas no site por palavras-chave como "Urumqi", "Xinjiang" e "Uighur" não geravam resultados.

Tudo o que sabemos sobre:
China

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.