China apoia comunidade internacional para resolver crise birmanesa

Líderes mundiais pediram à China para pressionar a Birmânia para parar com a violenta repressão

EFE,

30 de setembro de 2007 | 02h45

O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, prometeu que Pequim "trabalhará com a comunidade internacional para conseguir uma solução apropriada" para a crise política na Birmânia (Mianmar) e expressou desejo de que se alcance estabilidade no país vizinho. As palavras de Wen, primeiras do alto escalão chinês sobre a crise, foram publicadas este fim de semana pelo site do Ministério do Exterior da China, e fizeram parte de sua conversa com o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, na última sexta-feira. Wen assegurou que a China está preocupada com a situação e deseja "promover a reconciliação nacional, a democracia e o desenvolvimento" na Birmânia. Para ele, isso exige que a comunidade internacional "ofereça assistência construtiva". O primeiro-ministro chinês defendeu o uso de "métodos pacíficos" na crise, sem mencionar diretamente a Junta Militar, mas "todas as partes". Os comentários de Wen poderiam indicar uma mudança na atitude da China diante da crise, já que até agora Pequim tinha mantido bastante discrição para não criticar as ações dos militares birmaneses, seguindo a política habitual de "não-interferência" nos assuntos internos de outros países. Brown e outros líderes mundiais, como o presidente americano, George W. Bush, e o novo primeiro-ministro japonês, Yasuo Fukuda, pediram à China para pressione a Birmânia para parar com a violenta repressão. O Governo chinês, com assento permanente e direito a veto no Conselho de Segurança da ONU, se mostra reticente a condenar a repressão da ditadura militar birmanesa, bem como a impor sanções contra esse país, que já sofre bloqueio dos Estados Unidos. Pequim mantém freqüentes visitas oficiais com os militares birmaneses, e as empresas do gigante asiático têm grandes investimentos no país, rico em gás natural, madeira e outros recursos que interessam à economia chinesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.