Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

China aponta 1.500 mísseis para Taiwan, diz relatório

A última edição do relatório militar bienal de Taiwan, divulgada hoje, afirma que a China tem 1.500 mísseis apontados para a ilha taiwanesa. Segundo o Ministério da Defesa Nacional de Taiwan, Pequim continua se armando, apesar das melhorias nos campos político e comercial.

AE, Agencia Estado

20 de outubro de 2009 | 15h55

De acordo com o ministério, "a China não desistiu da noção de usar a força contra Taiwan". O documento também afirma que a China é capaz de impedir militares estrangeiros de auxiliarem Taiwan caso os dois lados entrem em guerra, e que a postura militar dos chineses atrapalha os esforços de se estabelecer a confiança mútua ou a cooperação entre os dois lados.

Anteriormente, funcionários chineses já disseram que as medidas para gerar confiança mútua só são possíveis se Taiwan concordar que é parte de "uma China". Taiwan e China se governam de modo separado desde a divisão causada pela guerra civil, há 60 anos.

Pequim afirma que a ilha governada democraticamente é parte de seu território e insiste que Taiwan deverá se unir ao resto do país. Nos últimos anos, o regime chinês recuou de suas ameaças de usar a força contra Taiwan para evitar a independência permanente desse país, porém não descarta essa opção.

As relações bilaterais melhoraram nos últimos 17 meses, desde a posse do presidente taiwanês Ma Ying-jeou, com uma plataforma destinada a encerrar as hostilidades com Pequim. Os dois lados lançaram voos comerciais regulares e negociam um possível acordo de livre-comércio. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaTaiwanmilitardiplomacia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.