China aproveita reunião da Apec para discutir crise coreana

A China pretende promover uma reunião informal entre os países interlocutores da Coréia do Norte nas negociações sobre seu programa nuclear, aproveitando a cúpula do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec). Segundo fontes oficiais sul-coreanas citadas pela agência Yonhap, a China está sondando a possibilidade para acelerar a realização de uma nova rodada de negociações multilaterais sobre as armas atômicas norte-coreanas.A cúpula de chefes de Estado e governo do Apec, em Hanói, nosdias 18 e 19 de novembro, terá a presença de Estados Unidos,Rússia, Japão, China e Coréia do Sul.A China vinha sendo a anfitriã das negociações de seis ladossobre o programa nuclear norte-coreano. Em novembro do ano passado,a Coréia do Norte anunciou seu boicote devido às sanções financeiras impostas pelos Estados Unidos."Pequim estuda a realização de um encontro informal paraaproveitar o ambiente após o acordo entre Pyongyang e Washington",informaram as fontes diplomáticas citadas pela Yonhap.Na terça-feira, Coréia do Norte, China e EUA entraram numacordo para o "pronto" reatamento do diálogo de seis lados. A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse que anova rodada de conversas de seis lados não acontecerá antes dareunião do Apec em Hanói. Mas admitiu um encontro pouco depois.Segundo as fontes governamentais sul-coreanas, o problema é adisposição da Coréia do Norte de atender a possíveis recomendaçõesna reunião informal de Hanói. Uma fonte diplomática afirmou que a Coréia do Sul deve promover uma reunião com os Estados Unidos e o Japão para "acertar os ponteiros" antes do futuro reatamento das conversas de seis lados. O governo sul-coreano considera três possíveis locais para a reunião: Honolulu, Seul e Washington.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.