China atingirá meta de expansão de 7,5%, diz comissão

Economia chinesa deverá conseguir atingir a meta de crescimento estabelecida pelo governo neste ano

AE, Agência Estado

10 de novembro de 2012 | 13h25

A forte desaceleração econômica da China terminou depois que o comércio e gastos dos consumidores melhoraram em outubro, mas a segunda maior economia do mundo não está pronta para uma recuperação e os exportadores enfrentam condições difíceis, afirmou Zhang Ping, diretor da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, em inglês), a principal agência de planejamento econômico do país. A economia chinesa deverá conseguir atingir a meta de crescimento de 7,5% estabelecida pelo governo neste ano, segundo Zhang.

Os comentários ecoam declarações de analistas do setor privado que disseram que a atividade econômica está melhorando, mas a recuperação da mais forte desaceleração da China desde a crise financeira mundial de 2008 será gradual e fraca. "Os números indicam uma tendência óbvia de estabilização da economia chinesa", afirmou Zhang. "Isso dito, não devemos baixar a guarda", disse ele. "Nossa conclusão é que a base não é sólida o suficiente para uma recuperação da economia chinesa e, portanto, temos de intensificar os nossos esforços."

Zhang não deu nenhuma indicação sobre quais novas iniciativas que Pequim pode considerar. O governo cortou as taxas de juros duas vezes neste ano e está injetando dinheiro na economia através de maiores gastos com a construção de aeroportos e outras obras públicas e investimento por empresas estatais. Mas evitou um grande estímulo após a sua enorme resposta à crise de 2008 elevar a inflação.

As declarações de Zhang foram feitas durante o 18.º Congresso do Partido Comunista, que anunciará ao longo da próxima semana a próxima geração de líderes políticos na China. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacrescimentometa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.