China aumenta orçamento de defesa, gasta mais em segurança interna

A China divulgou nesta terça-feira mais um aumento expressivo nos gastos militares, mas pelo terceiro ano consecutivo o orçamento para a defesa será superado pelos gastos em segurança interna, num sinal da preocupação de Pequim com ameaças locais.

BEN BLANCHARD E JOHN RUWITCH, Reuters

05 de março de 2013 | 09h50

A verba do Exército de Libertação Popular irá subir 10,7 por cento, chegando a 704,6 bilhões de iuanes (119 bilhões de dólares), enquanto o orçamento da segurança interna terá expansão ligeiramente menor, de 8,7 por cento, chegando a 769,1 bilhões de iuanes, segundo documento orçamentário divulgado no início da sessão anual do legislativo.

Os números indicam que o Partido Comunista está atento não só às disputas territoriais com o Japão e países do Sudeste Asiático e à maior presença dos EUA na região da Ásia/Pacífico, mas também à inquietação popular decorrente da corrupção, da poluição e dos abusos de poder, apesar do robusto crescimento econômico e do aumento da renda.

O número de "incidentes coletivos" (como protestos) registrado pelo governo saltou de 8.700 em 1993 para 90 mil em 2010, segundo vários estudos patrocinados pelo governo. Algumas estimativas são maiores, e o governo não divulgou dados oficiais de anos mais recentes.

"Isso mostra que o partido está mais preocupado com os potenciais riscos de desestabilização vindos de dentro do país do que de fora, o que nos diz que o partido está bem menos confiante", disse Nicholas Bequelin, pesquisador da ONG de direitos humanos Human Rights Watch, com sede em Nova York.

"Um governo confiante, que não tem medo da sua população, não precisa ter um orçamento de segurança interna que seja maior que o gasto em defesa", acrescentou.

Em pronunciamento ao Parlamento chinês, o primeiro-ministro Wen Jiabao citou a manutenção da estabilidade e da harmonia social como uma das prioridades governamentais neste ano.

"Devemos melhorar o mecanismo para a avaliação de potenciais riscos que grandes decisões políticas possam representar para a estabilidade social... O propósito desse trabalho é preservar a lei e a ordem e promover a harmonia social e a estabilidade", disse Jiabao, que está de saída do cargo.

Os gastos da China com defesa, no entanto, permanecem em cerca de 5,4 por cento do total, o que é semelhante aos 5,3 por cento do ano passado, e ainda cerca de um quinto do gasto do Pentágono. Mas, apesar das suas preocupações com os problemas internos, o regime comunista chinês se mostra cada vez mais assertivo no cenário mundial.

Wen disse que o governo "deveria acelerar a modernização da defesa nacional e das Forças Armadas..., manter resolutamente a soberania, a segurança e a integridade territorial da China, e assegurar seu desenvolvimento pacífico".

A China repetidamente diz que o mundo não tem nada a temer com seus gastos militares, que seriam necessários para propósitos defensivos legítimos, e que a verba investida em suas Forças Armadas é pequena em comparação ao orçamento de defesa dos EUA.

Pelo atual mecanismo de financiamento governamental, o orçamento básico do Pentágono é de 534 bilhões de dólares.

(Reportagem adicional de Kiyoshi Takenaka, em Tóquio; Clare Jim, em Taipé; e Paul Eckert, em Washington)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINADEFESA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.