China bloqueia YouTube e Guardian após distúrbios no Tibete

Site do jornal britânico foi um dos primeiros que publicou fotos dos protestos em Lhasa

Efe,

17 de março de 2008 | 02h36

O portal de troca de vídeos na Internet YouTube e o site do jornal britânico The Guardian estão bloqueados na China, após publicarem material sobre os protestos da semana passada em Lhasa, capital da região autônoma do Tibete. Veja também: China eleva para 13 número de mortos por distúrbios no TibeteChina procura agitadores 'casa por casa' no TibeteCresce tensão no Tibete e China fecha capital por segurançaDalai Lama denuncia 'genocídio cultural' Governo tibetano estima que 80 pessoas morreram em LhasaHu Jintao é reeleito na China e Xi Jinping é seu vice Segundo o governo chinês, treze "civis inocentes" foram queimados ou apunhalados até a morte nos distúrbios de sexta-feira em Lhasa. Além disso, os distúrbios deixaram 61 policiais feridos, dos quais seis estão em estado grave.  O YouTube foi bloqueado há dois dias, após vídeos sobre os protestos serem colocados no site. O site do The Guardian foi um dos primeiros que publicou fotos dos protestos. É a segunda vez em meio ano que a China censura o YouTube, uma das páginas da web mais populares do mundo. A primeira ocasião foi em outubro de 2007 quando aconteceu o 17º Congresso do Partido Comunista da China, um evento realizado de cinco em cinco anos que costuma ser acompanhado de um aumento do controle informativo. A China, que - segundo algumas fontes - já está em segundo lugar no mundo no número de internautas (mais de 220 milhões), é também um dos que mais censura a rede.

Tudo o que sabemos sobre:
Tibeteprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.