China busca reconciliação com o Japão sobre 2ª Guerra

Em um discurso histórico no Parlamento japonês, o primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, pediu nesta quinta-feira, 12, que o Japão enfrentasse as suas ações durante a Segunda Guerra Mundial. O discurso foi o primeiro feito por um premier chinês no local.Wen disse que as invasões japonesas entre os anos de 1930 e 1940 causaram "tremenda dor" ao povo chinês e pediu que as desculpas do Japão fossem reforçadas por ações concretas."As invasões japonesas causaram danos terríveis aos chineses. As profundas cicatrizes deixadas nos corações dos chineses não podem ser descritas", disse.Segundo a BBC, alguns analistas interpretaram o discurso como um alerta a ao premier japonês, Shinzo Abe, para que não visite o templo de Yasukuni, que honra alguns generais considerados criminosos de guerra pelos chineses.As diversas visitas do antecessor de Abe, Junichiro Koizumi, ao santuário levaram os chineses a recusar negociações bilaterais com ele.No entanto Wen disse que a culpa (pelas invasões) era de apenas alguns líderes militares e que a maioria dos japoneses também era vítima da guerra.Nos últimos anos, os dois países têm enfrentado desavenças devido à agressão japonesa durante a Segunda Guerra, e a China já acusou o Japão várias vezes de não reparar as suas ações.A visita de Wen ao Japão - a primeira de um premier chinês em sete anos - é vista como um passo importante para superar os problemas do passado e reforçar os laços entre os dois países.Em outubro do ano passado, o premier Abe visitou Pequim.Amizade e cooperaçãoWen iniciou o seu discurso ressaltando que queria promover a amizade e a cooperação entre a China e o Japão, mas na maior parte do tempo se concentrou nas dificuldades que os dois países enfrentam devido à sua história em comum.Apesar da menção ao passado, Wen foi otimista sobre as perspectivas para as relações futuras entre os dois países."O povo chinês quer viver em amizade com o povo japonês", disse Wen, apesar da "calamidade" da invasão japonesa à China durante a Segunda Guerra Mundial.Wen disse ainda que espera que os dois países consigam encontrar uma solução pacífica para a disputa sobre a propriedade das reservas de gás e petróleo no Mar da China. Afirmou também que o desenvolvimento econômico é uma oportunidade, e não uma ameaça.A visita começou com a assinatura de acordos para o intercâmbio de tecnologias para economizar energia e enfrentar questões ambientais como as mudanças climáticas. A China também concordou em retomar as importações de arroz do Japão.Nesta quinta-feira, Wen será recebido pelo imperador e pela imperatriz do Japão no Palácio Imperial, antes de almoçar com líderes empresariais.À noite, o primeiro-ministro chinês deverá participar de uma recepção em comemoração aos 35 anos do restabelecimento de laços diplomáticos entre Tóquio e Pequim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.