China caça responsável por explosão de prédios

A polícia chinesa lançou hoje uma ampla caçada em busca de um homem descrito como surdo, apontado como principal suspeito do quádruplo atentado a bomba na cidade de Shijiazhuang (norte do país) - o mais grave ocorrido na China -, que matou pelo menos 108 pessoas e deixou 36 feridas na madrugada de sexta-feira. Um jornal policial, o Diário da Lei, publicou hoje uma foto de um homem, Jin Ruchao, de 41 anos, residente em um dos apartamentos do edifício onde ocorreu a pior das quatro explosões na cidade, que fica na província de Hubei, a 200 quilômetros a sudoeste de Pequim; e a polícia espalhou cartazes oferecendo uma recompensa de cerca de US$ 6 mil por sua captura. Ruchao já era procurado pelo assassinato de uma jovem no dia 9, na Província de Yunnan. Ele havia sido demitido de uma tecelagem local em 1983 por vandalismo, mas ainda vivia em um dos prédios usados como dormitório por funcionários da empresa, no qual havia pelo menos 30 famílias. O edifício de cinco andares foi totalmente destruído e um dos outros três atingidos ficou dividido em dois. Esse foi o segundo atentado a bomba em Shijiazhuang em menos de seis meses. Uma série de atentados com bombas caseiras contra ônibus e lojas de departamentos deixou 28 feridos em setembro. Li Yonghui, acusado de roubo e chantagem, foi condenado pelos atentados e executado com um tiro na nuca. Segundo analistas ouvidos pela imprensa em Hong Kong, o acusado pode ser apenas "um bode expiatório" da polícia. Para alguns moradores locais, trabalhadores descontentes podem ter cometido os atentados para protestar contra a política de demissões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.