China calcula prejuízos resultantes de inverno rigoroso

O rigoroso inverno que atinge a Chinadeixou centenas de milhares de pessoas isoladas nasegunda-feira e interrompeu a distribuição de energia elétrica,fazendo vítimas e gerando prejuízos econômicos responsáveis porderrubar as ações do país antes do Ano Novo chinês. Ao menos 24 pessoas morreram nas duas semanas de acidentesprovocados pela neve, pelo gelo e pelas baixas temperaturasverificados nas regiões central, leste e sul da China,acostumadas com invernos mais amenos, afirmou a agência chinesade notícias Xinhua. Várias estradas, ferrovias e aeroportos ficaram fechados,especialmente no leste. Autoridades de várias Províncias, entreas quais Hunan e Jiangsu, afirmaram ser este o pior inverno dasúltimas décadas. As condições climáticas desfavoráveis atingiram o país nomomento em que dezenas de milhões de chineses dirigem-se paracasa a fim de celebrar o Ano Novo lunar, que começa no dia 7 defevereiro em 2008 -- uma imensa onda humana que mesmo em umasituação normal provocaria congestionamentos nas estações detrens e em aeroportos. A China também calculava os prejuízos decorrentes daparalisação de fábricas, do transporte de mercadorias e dadistribuição de energia elétrica em mais da metade das 31Províncias do país. O principal índice do mercado de ações de Xangai caiu 7,19por cento, registrando sua quarta maior queda desta década, àmedida que investidores somavam o clima às dificuldades jáenfrentadas na forma de inflação e de problemas na economiamundial. "Isto é como um surto de gripe aviária, algo que interrompetemporariamente o fluxo de sangue na economia e provoca doresmomentâneas", disse Gu Lingyun, gerente de fundos da OrientSecurities, referindo-se à epidemia que deixou a China empânico no ano de 2003. "A neve também coloca em dúvida a capacidade do governo deconter a inflação." O caos provocado pelo inverno instala-se no momento em quea China tenta, ansiosamente, mostrar ao mundo que sua rede detransportes e sua infra-estrutura estão aptas para a tarefa desediar os Jogos Olímpicos de agosto. O Ministério dos Assuntos Civis, que cuida das operações deemergência no caso de desastres, calculou as perdas econômicasdiretas em 18,2 bilhões de iuans (2,5 bilhões de dólares),segundo um canal estatal de TV. Moradores das áreas central e sudoeste da China tambémreclamam da falta de alimentos e do aumento dos preços doarroz, dos vegetais e dos ovos. "Grande parte dos transportes viu-se interrompida, de formaque os vegetais e outros produtos não podem ser entregues",afirmou à Reuters Xu Jinyun, um morador de Lujiang, Provínciade Anhui (leste), atingida pela neve. O governo não divulgou a ocorrência de mortes dentro doslares chineses em decorrência das baixas temperaturas. Mas amaior parte das casas localizadas ao sul do rio Yant Tsécarecem de sistemas de calefação e não foram construídas paraenfrentar temperaturas tão baixas. (Reportagem adicional de Ben Blanchard em Pequim, GeorgeChen em Xangai e John Ruwitch em Guangzhou)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.