REUTERS/Jason Lee
REUTERS/Jason Lee

China censura na internet críticas à permanência ilimitada de Xi no poder

Após anúncio de que o Partido Comunista Chinês acabará com o limite de mandatos presidenciais, autoridades em Pequim tentam bloquear na web qualquer termo que possa soar como condenação à iniciativa

O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2018 | 21h11

PEQUIM - Um dia após o Partido Comunista da China ter anunciado o fim do limite de mandatos para presidente do país, os censores de Pequim entraram em ação: bloquearam, nesta segunda-feira, 26, nas redes sociais chinesas qualquer comentário sobre a futura modificação constitucional, que abrirá caminho para Xi Jinping perpetuar-se no cargo. 

+ China prepara terreno para Xi Jinping permanecer no cargo indefinidamente

A censura chinesa também impediu o acesso às cerca de 3 mil postagens feitas sobre o assunto logo após a informação ter sido tornada pública. Além de censurar as redes sociais, o governo chinês bloqueou na internet artigos críticos de veículos internacionais e realizou postagens elogiosas ao partido. 

A rede social Weibo, similar a um Twitter chinês, viu ressurgir um velho conhecido: o Ursinho Puff (Winnie-the-Pooh), personagem da Disney usado em memes de conteúdo político para se referir a Xi há quase cinco anos. Desta vez, para criticar a manobra que garantirá ao presidente chinês manter-se no poder indefinidamente, o ursinho foi retratado abraçando-se a um pote de mel, juntamente com a frase: “Encontre aquilo que ama e agarre-se a isso”.

A brincadeira começou em junho de 2013, quando Xi e o ex-presidente americano Barack Obama foram caracterizados como os personagens Puff e Tigrão, após um encontro que os líderes tiveram na Califórnia, em um post que colocava a imagem dos líderes e dos cartuns lado a lado. A postagem viralizou. Naquela oportunidade – e em todas as outras que se seguiram desde então –, os censores chineses não deixaram de agir.

‘Retrocesso’

Outros comentários online a respeito do fim do limite de mandatos para presidente da China diziam: “Atenção, o veículo está fazendo a volta”, que imita um aviso automatizado utilizado em carros chineses que fazem entregas, sugerindo que a China está voltando aos tempos de Mao Tsé-tung ou para a era dos imperadores.

“Eca, estamos nos tornando a Coreia do Norte”, escreveu um usuário do Weibo. “Estamos seguindo o exemplo de nosso vizinho (Pyongyang)”, postou um outro.

Em Hong Kong, que experimenta maior liberdade de expressão e de imprensa do que o restante da China, mais críticas à mudança constitucional no país vieram à tona. No Twitter, Joshua Wong, um dos líderes da “Revolução dos Guarda-Chuvas”, os protestos anti-Pequim ocorridos no enclave em 2014, se referiu a Xi como “imperador”, afirmando que a medida “significa que a China voltará a ter um ditador como chefe de Estado”.

Reação

O governo chinês não se calou diante das acusações. O jornal Global Times, ligado ao partido, afirmou que a mudança constitucional não significa necessariamente uma perpetuação de líderes no assento presidencial. “Desde a reforma e a abertura, a China, liderada pelo Partido Comunista, tem resolvido de maneira bem-sucedida e continuará resolvendo com eficácia a questão da substituição da liderança nacional e partidária de uma maneira ordenada e de acordo com a lei.”

O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Lu Kang, afirmou que a medida “é assunto do povo chinês”. “Espero que todos consigam respeitar a voz de todo o povo chinês.”

“O povo ama o líder do povo”, afirmava nesta segunda um comentário publicado no site da emissora estatal China Central Television (CCTV). Analistas estimam que, após a ratificação da mudança, na Assembleia Nacional Popular, que começa no dia 5, haverá ainda menos tolerância a críticas por parte de Pequim. “O regime será ainda mais severo em todos os tipos de repressão”, afirmou Joseph Cheng, que deu aulas na City University, de Hong Kong. / AP, REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.