REUTERS/Alexander Bibik
REUTERS/Alexander Bibik

China chama embaixador americano para reclamar de prisão de executiva da Huawei

Pequim alega que Washington fez uma 'exigência despropositada' para o Canadá prender Meng Wanzhou enquanto ela passava por Vancouver

O Estado de S. Paulo, O Estado de S. Paulo

09 Dezembro 2018 | 17h13

O ministério de Relações Exteriores da China convocou neste domingo, 9, o embaixador dos Estados Unidos para expressar “forte protesto” contra a prisão da vice-presidente financeira da companhia chinesa Huawei e afirmou que Washington deveria retirar o pedido de prisão da executiva.

Meng Wanzhou, vice-presidente financeira da Huawei, foi presa no Canadá em 1.º de dezembro e enfrenta um pedido de extradição para os EUA, que alegam que ela acobertou laços de sua empresa com uma empresa que tentou vender equipamentos ao Irã, em violação de sanções contra o país. A executiva também é filha do fundador da Huawei.

O vice-ministro de Relações Exteriores da China, Le Yucheng, afirmou ao embaixador dos EUA, Terry Branstad, que Washington fez uma “exigência despropositada” para o Canadá prender Meng enquanto ela estava passando por Vancouver, informou o ministério.

“As ações dos EUA seriamente violaram os direitos legais e legítimos de uma cidadã chinesa e foram extremamente sórdidas em sua natureza”, disse Le a Branstad, em comentários semelhantes aos feitos ao embaixador do Canadá na noite anterior.

Pequim fortemente exige que os EUA prestem atenção à solene e justa posição da China e retire o pedido de prisão contra Meng, acrescentou Le. “A China vai responder com novas medidas dependendo das ações dos EUA”, disse ele, sem dar detalhes. Le também afirmou ao embaixador canadense no sábado que haverá severas consequências se o país não libertar Meng imediatamente. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.