China cobra explicação dos EUA por denúncia de espionagem

Embaixadas australianas na Ásia são usadas como parte da operação para coletar dados, diz jornal

O Estado de S. Paulo,

31 de outubro de 2013 | 11h33

PEQUIM - A China cobrou uma explicação dos Estados Unidos após reportagem de um jornal australiano afirmar que embaixadas australianas, incluindo a de Pequim, são usadas como parte de uma operação de espionagem liderada por Washington.

O jornal The Sydney Morning Herald disse nesta quinta-feira, 31, que a coleta de informações ocorre em embaixadas australianas na Ásia, assim como em outras missões diplomáticas, sem o conhecimento da maioria dos diplomatas australianos.

"A China está extremamente preocupada com este relato e exige que os EUA ofereçam um esclarecimento e uma explicação", disse Hua Chunying, porta-voz da chancelaria chinesa, em entrevista coletiva. "Também exigimos que as embaixadas estrangeiras na China e suas equipes respeitem a Convenção de Viena e outros tratados internacionais e não se envolvam em quaisquer atividades que não estejam de acordo com o seu estatuto ou posto e prejudique a segurança e os interesses da China."

China e Austrália têm um consenso para aumentar a cooperação e ambos veem um ao outro como uma oportunidade de desenvolvimento, segundo Hua.

Acredita-se que os próprios serviços de segurança da China mantenham uma sofisticada operação de grampos e vigilância, pelo menos internamente, embora o governo negue acusações de que tenta invadir redes de computadores no exterior./ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
espionagemEUAChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.