China começa a evacuar cidadãos das Ilhas Salomão

A China começou a evacuar seus cidadãos das Ilhas Salomão, país imerso em uma onda de violência após a eleição na terça-feira passada de Snyder Rini como primeiro-ministro. Como os dois países não mantêm relações diplomáticas, pois as Ilhas Salomão reconhecem Taiwan, Pequim enviou uma delegação diplomática a Honiara, a capital do pequeno arquipélago, para se encarregar da evacuação. O primeiro vôo, fretado pela companhia aérea da vizinha Papua Nova Guiné "Air Niugini", transferiu ontem cerca de 90 pessoas, em sua maioria mulheres e crianças, e para hoje se espera pelo menos mais um vôo. Segundo Zhao Yanbo, conselheiro da Embaixada chinesa em Papua Nova Guiné, 300 chineses ainda estão refugiados em uma delegacia de Polícia de Honiara. Os evacuados neste fim de semana se unirão aos 500 cidadãos chineses que já se refugiaram em Papua Nova Guiné nos primeiros dias dos distúrbios. A comunidade chinesa foi uma das principais vítimas dos saques e incêndios feitos pelos manifestantes, que acusam os empresários chineses de subornar membros do Parlamento para manter o partido de Rini no poder, apesar de sua derrota nas eleições de 5 de abril. O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, ordenou ao Ministério de Assuntos Exteriores que acompanhe de perto a grave situação e adote todas as medidas necessárias para garantir a segurança dos cidadãos chineses. Por outro lado A Austrália reforçará sua presença militar nas Ilhas Salomão com o envio de outros 25 soldados diante do temor de novos protestos violentos quando o Parlamento abrir nesta segunda-feira, anunciou o Governo australiano. "Nesta manhã aprovei o pedido do Ministério da Defesa de postar membros do corpo de Defesa aérea", confirmou o ministro Brendan Nelson, durante entrevista ao programa televisivo "Insiders". O ministro australiano ressaltou que o desdobramento das tropas australianas nesse país do Pacífico Sul serve de advertência aos responsáveis pelos violentos protestos que começaram após a eleição de Rini na terça-feira. Atualmente, o Governo australiano tem 307 soldados nas Ilhas Salomão.

Agencia Estado,

23 Abril 2006 | 02h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.