China condena dissidente a 9 anos por ensaios 'subversivos'

O ativista chinês de direitos humanos Chen Wei foi condenado na sexta-feira a nove anos de prisão, após uma rápida audiência na qual ele se declarou inocente da acusação de subversão.

SUI-LEE WEE E CHRIS BUCKLEY, REUTERS

23 de dezembro de 2011 | 09h03

O advogado de Chen, Zheng Jianwei, disse que o tribunal de Suining (província de Sichuan, sudoeste chinês) considerou subversivos ensaios escritos por ele com críticas ao governo. Após ouvir a sentença, o réu declarou: "A ditadura vai cair, a democracia constitucional vai prevalecer", segundo relato de Zheng.

Liang Xiajoun, outro advogado de defesa, disse que a audiência durou menos de duas horas e meia.

A esposa de Chen, Wang Xiaoyan, confirmou a pena de nove anos de prisão por causa de nove textos publicados em sites chineses do exterior.

"Eles baixaram todos esses ensaios do exterior, e não dá para lê-los em sites dentro da China", disse Wang por telefone. "Mas eles mesmo assim disseram que os ensaios tiveram um impacto extremamente maligno dentro da China, embora a maioria das pessoas na China não possa lê-los."

A internet na China está submetida a filtros e bloqueios para impedir que os cidadãos leiam sites estrangeiros considerados inaceitáveis do ponto de vista político ou social.

A sentença imposta a Chen é a terceira maior já imputada a um "subversivo". O Nobel da Paz Liu Xiaobo cumpre uma pena de 11 anos de prisão desde 2009, e Liu Xianbin foi condenado a dez anos em março deste ano.

Chen, de 42 anos, foi um dos centenas de ativistas, dissidentes e líderes comunitários presos numa onda de repressão neste ano, quando o Partido Comunista agiu para evitar protestos inspirados pelas rebeliões pró-democracia da Primavera Árabe.

Muitos dos detidos já foram soltos, mas continuam sob observação policial. No caso de Chen, porém, as autoridades aparentemente quiseram "dar um exemplo", segundo o ativista Huang Qi, amigo do réu.

"Primeiro, porque ele ter sido condenado antes, a corte certamente lhe daria uma pena mais pesada", disse Huang, acrescentando que Chen foi ativo em muitas campanhas que enfureceram as autoridades, incluindo o auxílio a pais de crianças mortas em escolas que desabaram no terremoto de 2008 na província de Sichuan.

"Outras pessoas foram soltas, mas as autoridades do Partido Comunista sempre têm uma mão leve e uma mão pesada", disse Huang. "As autoridades vão certamente impor algumas sentenças duras para que sirva de dissuasão aos outros."

Tudo o que sabemos sobre:
CHINADISSIDENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.