China condena duas pessoas à morte em Xinjiang

Um tribunal na China condenou dois homens à pena de morte por causa da onda de violência que deixou 21 mortos na região de Xinjiang, segundo a mídia estatal.

AE, Agência Estado

13 Agosto 2013 | 08h25

A China atribuiu a autoria dos atos de violência, ocorridos no dia 23 de abril, a "terroristas", uma acusação que, segundo grupos de direitos humanos, é usada muitas vezes para justificar o uso de força contra membros da minoria uigur.

O Tribunal Intermediário de Povo da prefeitura de Kashgar, em Xinjiang, condenou Musa Hesen e Rehman Hupur à morte por crimes que incluem assassinato e participação em um "grupo terrorista", informou a agência de notícias Xinhua.

Hesen foi acusado de liderar o grupo e fabricar explosivos.

Outros três homens acusados de pertencer ao grupo foram condenados a penas de, pelo menos, nove anos de prisão, segundo a Xinhua. Todos os réus teriam confessado seus crimes no tribunal. Um total de 19 suspeitos foi preso após o incidente de abril no condado de Bachu, em Kashgar. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
chinaviolênciacondenação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.