China condena homem à morte por tráfico humano

A China condenou à morte o chefe de um rede de tráfico humano que enganou dezenas de mulheres com promessas de trabalho, sequestrando-as e vendendo-as no país inteiro, informou a mídia estatal na quarta-feira. A quadrilha de 29 membros vendeu 88 mulheres em três províncias, segundo a agência de notícias Xinhua, citando um tribunal em Guiyang, capital da província de Guizou. Uma menina de 11 anos também foi vendida, segundo a agência. He Kaixun, que seqüestrou e vendeu 35 das 80 vítimas, foi condenado à morte no primeiro julgamento. Dois outros membros do grupo serão condenados à morte a não ser que apresentem dois anos de bom comportamento. Outros membros receberam condenações que variam de dois anos de reclusão à prisão perpétua. Os traficantes prometiam às vítimas empregos como empacotadoras de chá e de semente de girassol. Eles chegavam até a levá-las a fábricas fictícias, onde os traficantes fingiam ser gerentes e empregados, segundo a Xinhua. Depois, as vítimas eram mandadas a outras províncias, onde comprariam matéria-prima, mas lá eram vendidas como "esposas" aos moradores locais. Oitenta e oito das 89 vítimas foram resgatadas e mandadas de volta para casa depois de uma operação policial, segundo a Xinhua, que citou a polícia como fonte, mas não informou o destino da vítima não-resgatada. (Por Ian Ransom)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.