China condena mulher à morte por caso de leite contaminado

Um tribunal chinês condenou à morte uma mulher e à prisão perpétua seu marido por misturarem nitrito ao leite, o que matou três crianças e deixou 36 doentes, divulgou a mídia estatal nesta sexta-feira.

REUTERS

09 de dezembro de 2011 | 12h53

Ma Xiuling e Wu Guangquan, dois fazendeiros produtores de leite de Pingliang, província de Gansu, no noroeste do país, foram considerados culpados por terem adicionado nitrito, um sal industrial, ao leito fresco produzido por fazendeiros rivais no início de abril, disse a Xinhua, citando um porta-voz do Tribunal Popular Municipal Intermediário de Pingliang.

Ma e Wu cometerem o ato como forma de vingança contra os rivais, um outro casal. As três crianças que morreram depois de tomarem o leite contaminado tinham menos de dois anos de idade.

A Xinhua disse que o casal apelaria da sentença.

A sentença foi dada dias depois que a polícia chinesa na província de Jilin, no nordeste do país, disse que uma criança, morta depois de tomar uma bebida com iogurte, foi provavelmente envenenada.

Escândalos envolvendo alimentos são comuns na China, onde fiscalizações não conseguiram deter os surtos de toxinas e de envenenamentos que abalaram a confiança do consumidor. O setor de laticínios, que cresce rápido, mas de maneira segmentada, está no centro dessas preocupações.

(Reportagem de Sui-Lee Wee)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINALEITECONTAMINADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.