China condena quatro pessoas por incêndio que deixou 121 mortos

Dois bombeiros e dois dirigentes de abatedouro de aves no nordeste da China foram condenados a até nove anos de prisão

O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2014 | 11h53

PEQUIM - Dois bombeiros e dois dirigentes de um abatedouro de aves na China foram condenados a até nove anos de prisão por conta de um incêndio em uma unidade no nordeste do país no ano passado que matou 121 pessoas e deixou outras 76 feridas, segundo noticiado pela imprensa estatal neste sábado. O episódio marcou o maior acidente industrial na China em cinco anos e destacou as contínuas violações às regras de segurança.

Na ocasião, sobreviventes disseram que os trabalhadores - a maioria mulheres - enfrentaram chamas e fumaça para tentar sair, mas quando chegaram nas portas elas estavam trancadas. O incêndio teria sido causado por um curto-circuito. Segundo a agência estatal de notícias Xinhua, nesta sexta-feira dois tribunais distritais da cidade de Changchun condenaram os acusados.

O presidente da Jilin Baoyuanfeng Poultry Co., Jia Yushan, foi sentenciado a nove anos de prisão e multado em 1 milhão de yuans (cerca de US$ 160 mil) por não garantir um ambiente seguro aos funcionários. Já o então gerente-geral Zhang Yushen foi sentenciado a quatro anos de prisão por instalar equipamentos de baixa qualidade.

Lyu Yandong, então chefe do departamento de bombeiros local, e seu vice, Liu Guicai, foram condenados por abuso de poder e sentenciados a até cinco anos e meio de prisão. Anteriormente, os promotores haviam dito que eles não realizaram inspeções sérias na unidade e falsificaram informações após o incêndio, para tentar acobertar as irregularidades. /Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Chinaincêndiocondenação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.