China confirma 4ª morte provocada por leite contaminado

A China confirmou hoje sobre uma quarta morte provocada pelo consumo de leite em pó contaminado. A vítima vivia na província do noroeste de Xinjiang, onde 86 pessoas adoeceram após consumir o leite com melamina, um produto químico industrial. Não há informações adicionais sobre a vítima, nem foi divulgado se tratava-se de um bebê.Ontem, o ministro da Saúde, Chen Zhu, havia confirmado três mortes de bebês e disse que mais de 6 mil crianças pelo país estavam doentes por causa da contaminação. As três primeiras mortes foram causadas por falência renal, após o consumo do leite com melamina. O escândalo causou pânico entre os pais, que lotam os hospitais em busca de exames para saber se seus filhos estão contaminados.A melamina, um químico usado normalmente em plásticos, foi ilegalmente misturada às fórmulas para bebês em pelo menos 22 indústrias de laticínios chinesas, segundo autoridades. A informação veio à tona apenas meses depois de os primeiros bebês ficarem doentes. O produto ilegal foi introduzido para que o leite aparentasse mais níveis de proteínas.O anúncio da mais recente morte ocorreu ao mesmo tempo em que a China anuncia novas medidas para conter o crescente escândalo. O governo disse que iria resolver brechas que possibilitaram a comercialização do produto com problemas. Segundo as autoridades, será ampliado o controle sobre produtos agropecuários.A principal agência de controle de qualidade do país baixou uma norma, segundo a qual os produtores de alimentos não podem mais ficar isentos de inspeções, mesmo que tenham um bom histórico. Segundo a agência estatal Nova China, uma das empresas que utilizavam esse benefício era a Sanlu, primeira envolvida no escândalo do leite em pó e a companhia em que o produto estava mais contaminado.O prefeito de Shijiazhuang, cidade ao norte onde o grupo Sanlu é sediado, foi afastado do cargo. A polícia também deteve a presidente da companhia, que antes perdeu o emprego. No total, 18 pessoas foram detidas no caso, 12 delas hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.