China confirma sete mortes em conflitos no Tibet

As mortes de sete pessoas em conflitosna capital do Tibet, Lhasa, foram confirmadas pela agênciaXinhua neste sábado, citando o governo regional do Tibet. As vítimas são comerciantes, segundo a agência oficial. "Nenhum problema foi reportado entre estrangeiros", afirmouuma autoridade do departamento de Relações Exteriores. Os tibetanos se manifestaram na sexta-feira contra apresença chinesa no país. Manifestantes pró-independência queimaram lojas e carros emLhasa, no mesmo dia em que policiais chineses teriam matadoduas pessoas na cidade, na pior onda de instabilidade surgidana região em duas décadas. A China acusou simpatizantes do líder espiritual do Tibet,Dalai Lama, atualmente exilado, de "arquitetar" o levante, quemancha a imagem do país cuidadosamente construída às vésperasdos Jogos Olímpicos de Pequim. O Dalai Lama pediu que a China pare de usar a força e quedê início a um diálogo com os tibetanos. A atuação da China no Tibet tornou-se foco de campanhas àsvésperas das Olimpíadas. Nesta semana, passeatas foram realizadas no mundo todo paralembrar o 49o aniversário do fracassado levante tibetano contrao domínio chinês, quando o Dalai Lama fugiu para a Índia. Aquelas passeatas aparentemente incentivaram os mongesbudistas a tomarem as ruas de Lhasa, desafiando a fortepresença policial na área.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.