China continua relutante em apoiar esforços dos EUA por resolução contra Coréia do Norte

A China continua relutante em apoiar o esforço americano para impor sanções financeiras e de viagem à Coréia do Norte, mas afirmou nesta quinta-feira que o seu vizinho comunista deve saber que a decisão de testar uma arma nuclear foi um engano.A ambivalência de Pequim ficou aparente assim que os EUA apresentaram uma proposta de resolução da ONU contra a Coréia do Norte, que faz uso de uma linguagem mais moderada, a fim de conseguir o apoio russo e chinês. A resposta da China à Coréia do Norte tem sido acompanhada de perto, já que acredita-se que Pequim seja o país de maior influência sobre o imprevisível e recluso país. A China é o principal fornecedor de energia e de auxílio econômico a Pyongyang. Em Pequim, o porta-voz do ministério do Exterior chinês Liu Jianchao disse aos repórteres que a "punição não deve ser o propósito" de nenhuma iniciativa da ONU em resposta ao teste de segunda-feira.Mas Liu acrescentou que Pyongyang precisa saber que a explosão atômica foi um erro."É necessário expressar claramente à Coréia do Norte que o teste nuclear é uma prática errada[...]e a comunidade internacional se opõe a esse teste nuclear", afirmou. Os japoneses não esperaram pela resolução da ONU, a qual os EUA esperam que seja aprovada pelo Conselho de Segurança até sexta-feira. O partido Liberal-democrata japonês, da situação, apoiou uma série de duras medidas nesta quinta-feira, que incluem a proibição total de importação de produtos norte-coreanos e a proibição de qualquer navio norte-coreano em águas japonesas. As medidas surgem em um momento em que a Coréia do Norte alerta que responderá de forma não-especificada à imposição de sanções, segundo informou a agência Kyodo News. "Nós tomaremos fortes contra-medidas", afirmou Song Il Ho, mebaoxador da Coréia do Norte, segundo a Kyodo. Son Il Ho está encarregado de normalizar as relações diplomáticas com o Japão, assim como afirmou em entrevista, quando perguntado sobre as sanções. "Nunca falamos palavras vazias", teria alerta Song, sem especificar a ameaça. Os japoneses também fazem lobby por uma resolução da ONU mais dura, que incluiria a proibição de navios norte-coreanos em qualquer porto. O Japão também quer proibir que aviões norte-coreanos decolem ou aterrissem em qualquer país. Tais propostas devem encarar forte oposição russa e chinesa, então os EUA optaram por uma abordagem mais moderada, que busca a proibição de viagens e de sanções financeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.