China convida líder norte-coreano para visita, diz agência

Presidente Hu Jintao disse que Kim Jong Il pode ir à China no momento que lhe for conveniente

Reuters,

29 de outubro de 2009 | 09h24

O presidente chinês, Hu Jintao, convidou o recluso líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il, para uma visita à China, ao passo que Pyongyang sinalizou que pode retornar às negociações nucleares com potências ocidentais intermediadas por Pequim.

 

Veja também:

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

O convite, feito a um representante do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, Choe Thae-bok, que está na China, foi feito em um encontro na quarta-feira do qual os dois países prometeram reforçar seus laços enquanto comemoram 60 anos de aliança.

"No encontro, o camarada Hu Jintao perguntou a Choe Thae-bok que levasse seu convite ao secretário-geral Kim Jong-il para visitar a China em um momento em que lhe for conveniente", afirmou a agência de notícias oficial norte-coreana, KCNA, nesta quinta-feira, 29.

Durante visita à Pyongyang neste mês do premiê chinês, Wen Jiabao, o líder norte-coreano disse que seu país deseja voltar as negociações sobre o desarmamento, mas após ter conversas diretas com o rival de longa data, os EUA.

Um enviado da Coreia do Norte para tratar dos assuntos nucleares está nos EUA em reunião com representantes do Departamento de Estado em seminários acadêmicos. Os encontros podem ser um prelúdio de uma visita de enviados americanos à Pyongyang, afirmam analistas.

A última viagem de Kim à China foi em janeiro de 2006. As viagens do líder ao estrangeiro quase nunca são confirmadas até que o trem levando-o cruze a fronteira de volta ao norte. A visita de 2006 não teve muitos progressos na resolução de impasses nucleares, e 10 meses após a visita a Coreia do Norte fez seu primeiro teste nuclear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.