China corre para destruir lago criado por tremor

Soldados chineses trabalham emtempo integral para cavar uma gigantesca vala que drene um lagocriado pelo terremoto deste mês, enquanto há planos para que100 mil pessoas sejam retiradas da região, agora sob ameaça deinundação, segundo a imprensa estatal. A China elevou na terça-feira para 67.183 o número demortos pelo tremor de Sichuan no dia 12. Esse número devesubir, já que há 20.790 desaparecidos, além de quase 362 milferidos. Soldados e policiais caminharam até o lago Tangjiashanlevando dinamite para explodir a parede de lama e destroços quebloqueia o fluxo de um rio, no município de Beichuan. Esse é omaior dos 35 lagos formados pelos deslizamentos do tremor. Cerca de 30 mil pessoas que vivem no montanhoso entorno dolago já foram retiradas. Em Mianyang, cerca de 150 mil pessoas devem ser retiradasaté meia-noite de terça-feira (hora local, final da manhã noBrasil), segundo a agência Xinhua. Há temores de que o volumede água do lago, com 300 milhões de metros cúbicos, rompa abarragem local. "É melhor para eles (a população) se queixar do transtornoda retirada do que chorar depois do possível perigo", disse LiuNing, funcionário do Ministério de Recursos Hídricos, àimprensa local. Na segunda-feira, o nível do lago atingia 725,3 metros,apenas 26 metros abaixo da parte mais baixa da represa, segundoLiu. Cerca de 600 engenheiros e soldados se reuniam sobre abarragem e se revezaram durante a noite, operando asescavadeiras levadas de helicóptero. Os soldados esperam concluir a construção da vala até 5 dejunho, o que significa que a água pode continuar se acumulandonos próximos dias. Na terça-feira, o nível subiu mais 1,79metro, e as autoridades se preparam para o pior, de acordo coma Xinhua. Na segunda-feira tomou posse o novo prefeito de Mianyang,município que inclui Beichuan e onde houve mais de 16 milmortos por causa do terremoto. Não se sabe se a mudança estávinculada a eventuais falhas nos trabalhos de resgate. (Reportagem adicional de Sally Huang, Guo Shipeng eBenjamin Kang Lim em Pequim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.