China cria companhia para produzir aviões comerciais

A China criou uma companhia paraproduzir aviões comerciais regionais com o objetivo deeventualmente reduzir a dependência do país da Boeing e daAirbus nesse setor, informou neste domingo a imprensa oficial. A Companhia de Aviões Comerciais da China teveinvestimentos de 19 bilhões de iuans (2,27 bilhões de dólares),com 6 bilhões de iuans vindos da estatal Comissão de Supervisãoe Administração de Recursos, dando a ela a maior fatia daempresa, com 30 por cento, disse a agência de notícias Xinhua. Um consórcio feito entre o governo municipal de Xangai,onde o avião regional ARJ21 está sendo desenvolvido, e duasfábricas estatais, AVIC I e AVIC II, terá 25 por cento daempresa, comprados por 5 bilhões de iuans. O ARJ21-700 tem 90 assentos e foi lançado no ano passado. Oprimeiro avião nacional chinês passará por testes de vôo nesteano e as primeiras unidades devem ser entregues no final de2009. Mas muitos analistas expressaram ceticismo quanto àsperspectivas comerciais de um avião de grande porte desenhado econstruído inteiramente na China, devido à limitada experiênciado país com aeronaves. "Eles podem estabelecer uma presença nos negócios nospróximos 10 a 20 anos se financiarem o projeto com dinheiro dogoverno e gradualmente oferecerem fatias ao setor privado",afirmou Richard Aboulafia, analista de aviação do Teal Group. O gerente-geral da nova companhia, Jin Zhuanglong, não deuum prazo para a produção de aeronaves maiores e disse que oinvestimento e a cooperação não estavam restritos às empresasdomésticas. A AVIC I, que comanda a Companhia de Aviação Internacionalde Xi'an, desenvolveu o ARJ21. A Indústria de Aviação Hafei, daAVIC II, produz o ERJ-145 em parceria com a brasileira Embraer. A divisão da General Electric para aeronaves disse em marçoque havia assinado um acordo preliminar para comprar cincounidades do ARJ21, sendo esse o primeiro pedido de um grandecliente estrangeiro. Há um total de 181 pedidos para o ARJ21,quase todos de companhias chinesas. A General Electric e a Parker Hannifin fornecemequipamentos para o avião. O projeto não é a primeira tentativa da China dedesenvolver um avião comercial de passageiros. Houve acordoscom a McDonnell Douglas e a Airbus que não foram adiante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.