China critica Japão por pedir que ONU proteja cartas de camicazes

Cidade japonesa quer status de 'patrimônio da humanidade' para documentos de dois pilotos

O Estado de S. Paulo,

10 de fevereiro de 2014 | 12h42

PEQUIM - A China criticou nesta segunda-feira, 10, o Japão por ter solicitado à Unesco (órgão cultural da Organização das Nações Unidas) o status de "patrimônio da humanidade" para duas cartas escritas por pilotos camicazes na 2ª Guerra. Mundial. Já estão nessa lista documentos como o diário de Anne Frank e a Magna Carta.

O pedido foi feito na semana passada pela prefeitura de Minami Kyushu, no sul do Japão, com relação aos testamentos e às cartas de despedida dos dois pilotos que morreram voluntariamente ao cometerem ataques contra navios aliados.

A cidade - onde havia uma base da qual centenas de camicazes decolaram em 1945, último ano do conflito - argumentou que os documentos serviriam para salientar a importância da paz mundial.

A chancelaria chinesa disse que os pilotos suicidas não merecem esse reconhecimento. "A intenção por trás da solicitação para os chamados pilotos camicazes é claríssima, a saber, tentar embelezar o histórico militarista japonês de invasão", disse a porta-voz Hua Chunying.

"A intenção é diametralmente oposta ao objetivo da Unesco, que é manter a paz, e deve ser fortemente condenada e resolutamente contrariada pela comunidade internacional."/ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
ChinaJapãoUnescocamicazes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.