China critica novas sanções da UE ao Irã e pede diálogo

A China criticou nesta terça-feira a União Europeia por impor novas sanções ao Irã por causa do polêmico programa nuclear, e reiterou seu apelo por um diálogo que resolva o impasse.

Reuters

16 de outubro de 2012 | 11h43

As sanções da UE atingem grandes estatais iranianas de gás e petróleo e intensificam as restrições ao Banco Central do Irã.

A China é o maior comprador do petróleo iraniano, e, junto com a Rússia, resiste em impor sanções ao Irã.

As sanções decorrem das suspeitas ocidentais de que o Irã esteja tentando desenvolver armas atômicas, algo que Teerã nega.

"Nós nos opomos à imposição de sanções unilaterais ao Irã, e acreditamos que usar sanções para exercer pressão não pode resolver fundamentalmente a questão nuclear do Irã", disse o porta-voz da chancelaria chinesa Hong Lei.

"Isso só pode tornar a situação mais complexa e intensificar o confronto... Esperamos que todas as partes relevantes possam demonstrar flexibilidade, aumentar a comunicação e pressionar por uma nova rodada de discussões assim que for possível."

(Reportagem de Sabrina Mao e Ben Blanchard)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAIRASANCOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.