China culpa extremistas religiosos por bomba em estação de trem

Um ataque em uma estação de trem na cidade chinesa de Urumqi foi realizado por dois extremistas religiosos que morreram na explosão, informou o governo da China nesta quinta-feira.

Reuters

01 Maio 2014 | 09h07

Três pessoas morreram, incluindo os agressores, e 79 ficaram feridas em um ataque a bomba e faca na estação na quarta-feira, segundo o governo e a mídia estatal, com o presidente Xi Jinping se preparando para visitar a região.

O governo regional de Xinjiang disse em seu site de notícias oficial que os dois atacantes que morreram foram "influenciados por pensamentos de extremistas religiosos e participaram em atividades de extremismo religioso."

A terceira pessoa que morreu era um transeunte, segundo o governo.

Xinjiang, estrategicamente localizado nas fronteiras da Ásia central e rica em recursos, tem sido assolada pela violência por anos, com o governo acusando militantes islâmicos e separatistas.

Exilados e muitos grupos de direitos humanos dizem que a verdadeira causa da instabilidade são as políticas de repressão da China, incluindo restrições sobre o Islã, a cultura e a língua do povo uigur.

O ataque de quarta-feira foi o primeiro ataque na capital de Xinjiang em 17 anos. Ele ocorreu logo após a chegada de um trem da província de Han, disse a mídia estatal.

(Por Michael Martina)

Mais conteúdo sobre:
CHINA EXPLOSAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.