China culpa normas de importação dos EUA por atraso nos exames

A China culpou as normas americanas de importação pelo atraso no envio de 20 amostras de animais infectados com o vírus H5N1, acertado em março com a Organização Mundial de Saúde (OMS), afirma o jornal "China Daily"."O Laboratório de Referência sobre Gripe Aviária da China preparou 20 amostras, como exigiu o laboratório designado pela OMS, pertencente ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês) nos Estados Unidos", disse um porta-voz do Ministério de Agricultura.No entanto, explicou, o laboratório americano ainda não concluiu os processos de importação devido aos regulamentos do país, provocando um "atraso por tempo indefinido" no envio das amostras.China e OMS chegaram a um acordo em março. O Ministério, que não costuma compartilhar este tipo de informação, aceitou enviar 20 amostras de animais infectados pela gripe aviária e contribuir assim para a pesquisa internacional.Segundo o porta-voz, o problema é que os EUA só permitem a entrada no país de amostras não diagnosticadas. A coordenadora da OMS sobre gripe aviária na China, Julie Hall, afirmou que buscar culpados não ajuda no caso e que o importante é ter as amostras o mais rápido possível.Desde que reapareceu no sul da China, no fim de 2003, o vírus H5N1 afetou 21 pessoas no país, das quais 14 morreram. O total de infectados no mundo é de 242, com 142 mortos.Esta semana, Gao Fu, diretor-geral do Instituto de Microbiologia da China, ressaltou que a chave da investigação está nas aves aquáticas migratórias, que podem espalhar o vírus pela Ásia, Europa e África.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.