EFE/Nathalie Sayago
EFE/Nathalie Sayago

China defende Constituinte e critica interferência externa na Venezuela

Em nota, ministério das Relações Exterires afirmou que votação 'se desenvolveu de forma estável em geral' e disse acreditar que o o governo de Nicolás Maduro e a população do país 'serão capazes de resolver seus assuntos internos'

O Estado de S.Paulo

03 Agosto 2017 | 09h20

PEQUIM - O governo da China assegurou que a votação para a Assembleia Nacional Constituinte no último domingo na Venezuela foi realizada "de forma estável em geral" e pediu a outros países que não intervenham nesse e em outros assuntos internos do país latino-americano.

"A China sempre segue o princípio de não intervenção nos assuntos internos de outros países e defende que haja igualdade e respeito entre as nações, sem interferir em temas internos", advertiu o Ministério das Relações Exteriores chinês em um comunicado publicado na noite de quarta-feira.

"A eleição Constituinte na Venezuela se desenvolveu de forma estável em geral e notamos as reações de cada parte", acrescentou o governo chinês na nota, na qual não mencionou os episódios de violência ocorridos durante as eleições e as acusações de manipulação de resultados.

No comunicado, o ministério chinês expressou seu desejo de que o governo e a oposição venezuelanos "possam ter um diálogo pacífico segundo a lei e resolvam suas questões para manter a estabilidade do país e o desenvolvimento da economia e da sociedade".

"A China acredita que o governo da Venezuela e seu povo serão capazes de resolver seus assuntos internos, pois construir um país estável e desenvolvido corresponde aos interesses de todas as partes", concluiu Pequim em sua nota diplomática.

Os Estados Unidos decidiram impor sanções ao governo do presidente Nicolás Maduro um dia depois das eleições da Constituinte e a União Europeia anunciou na quarta-feira que não reconhecia a Assembleia Constituinte e advertiu que intensificaria sua resposta se "os princípios democráticos" continuarem sendo "solapados" no país sul-americano.

Desde a última década, a China é um dos sócios comerciais mais importantes da Venezuela, país que chegou a ser o principal destino dos investimentos chineses na América Latina, dado o especial interesse do regime comunista no petróleo venezuelano. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.