China deporta professor-espião

A China deportou nesta quarta-feira (25, pelo horário local) um professor chinês naturalizado norte-americano condenado por espionagem em favor de Taiwan, revelou o Ministério de Relações Exteriores. Li Shaomin foi expulso na manhã de quarta-feira e segue para San Francisco, Estados Unidos, informou o ministério por meio de uma breve nota. Funcionários da assessoria de imprensa da chancelaria não souberam fornecer mais detalhes. A expulsão de Li foi anunciada três dias antes do início de uma visita do secretário de Estado dos EUA, Colin Powell. Na terça-feira, dois acadêmicos chineses foram condenados a 10 anos de prisão em Pequim por espionagem em favor de Taiwan. Washington criticou estas duas condenações. O governo chinês não deu muitas informações a respeito do processo de Li, mas garantiu ter "uma grande quantia de evidências" que confirmam a espionagem de Li para Taiwan. Li Shaomin lecionava economia na City University of Hong Kong. Ele foi preso em 25 de fevereiro e depois foi acusado de espionagem para Taiwan. O governo chinês considera a ilha de Taiwan uma província rebelde. Os dois lados mantém espiões ativos. O acadêmico de 44 anos foi morar nos Estados Unidos em 1982, onde estudou na Priceton University e obteve a nacionalidade norte-americana. Mais tarde ele retornou à China onde também atuava como conselheiro da Organização das Nações Unidas para o governo chinês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.