Miguel Gutiérrez / EFE
Miguel Gutiérrez / EFE

China interrompe compra de petróleo venezuelano após sanções dos EUA

CNPC, a maior empresa petrolífera da China, cancelou compra de 5 milhões de barris de petróleo da PDVSA

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2019 | 16h32

A CNPC, a maior empresa petrolífera da China, desistiu neste mês de comprar 5 milhões de barris de petróleo da Venezuela, temendo o impacto de sanções anunciadas há duas semanas pelo presidente americano, Donald Trump. A estatal é a segunda empresa de países aliados do presidente Nicolás Maduro que desiste de fazer negócios com o venezuelano nos últimos dias para evitar represálias do Departamento do Tesouro.

A primeira foi o banco turco Ziraat, envolvido na importação de metais preciosos venezuelanos e na intermediação de compra de alimentos produzidos na Turquia para distribuição de cestas básicas no país caribenho. 

A decisão representa a perda bruta de US$ 267 milhões no já combalido fluxo de caixa do regime chavista, alvo de sanções americanas a sua principal commodity desde o fim do ano passado. Maduro tem recorrido à China, Rússia e Turquia, três de seus principais aliados, para amenizar os impactos das sanções. 

Sanções ampliam falta de recursos da Venezuela

No começo do mês, o governo americano congelou bens do Estado venezuelano no exterior e proibiu empresas e Estados de fazerem negócios com o país caribenho sob pena de multas e congelamento de ativos dessas empresas em território americano para quem “ colaborar materialmente com o chavismo”.

“A CNPC está preocupada e teme ser atingida pelas sanções secundárias”, disse uma fonte da empresa que não se identificou por não estar autorizada a falar publicamente sobre o caso. 

Oficialmente, a empresa não se pronunciou pelo caso, assim como a PDVSA e o governo venezuelano. 

 A China, já envolta numa guerra comercial com os EUA, tornou-se o principal cliente do petróleo venezuelano depois que os americanos deixaram de comprá-lo no ano passado. Nos últimos meses, Pequim tem adotado uma posição cada vez mais pragmática na questão venezuelana, numa atitude um pouco diferente da Rússia, que tem sido mais assertiva no apoio a Maduro. 

Acordos preveem envio de petróleo para a China

A CNPC, por sua vez, é a principal compradora da commodity venezuelana. Em média, os chineses compram 339 mil barris de petróleo por dia. A maior parte dessas compras, no entanto, não revertem dinheiro para o caixa chavista em consequências de acordos assinados ainda no governo do presidente Hugo Chávez (1999-2013), quando Venezuela e China fecharam empréstimos no valor de US$ 14 bilhões, tendo o petróleo venezuelano como garantia de pagamento. 

A PDVSA nunca deixou de entregar carregamentos de petróleo para a China para cumprir esses acordos. Nos últimos anos, Maduro negociou o alongamento de prazos em virtude do aperto nas reservas e na diminuição da produção da estatal venezuelana. 

Uma fonte da PDVSA disse ter sido notificada da suspensão, mas relatou que a decisão pegou os venezuelanos de surpresa. O foco agora, ainda de acordo com essa fonte, é convencer os chineses a tornar essa interrupção temporária. Uma solução seria vender o petróleo a subsidiárias da estatal chinesa sem negócios nos Estados Unidos. 

Os chineses, no entanto, querem consultar os americanos antes de qualquer decisão.  A suspensão foi decidida depois de uma reunião de diplomatas americanos e executivos da CNPC em Pequim. / REUTERS e BLOOMBERG 

yrVngy

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.