China detém mais de 2 mil em operação para segurança alimentar

A China deteve mais de 2 mil pessoas, apreendeu toneladas de produtos estragados e fechou mais de 5 mil empresas em uma operação que investigou durante cinco meses os problemas de segurança alimentar. O caminho, no entanto, permanece difícil, disse a mídia estatal na segunda-feira.

REUTERS

26 Setembro 2011 | 14h30

"Nossa campanha recente alcançou um sucesso notável. Mas isso é só o começo", disse uma autoridade do gabinete da força tarefa da segurança alimentar à agência de notícias Xinhua.

"A campanha não deve receber uma avaliação muito alta. Não podemos baixar nossa guarda nem descansar e precisamos estar cientes da natureza complexa e longa do problema da segurança alimentar e permanecer em alerta", acrescentou a autoridade.

"Precisamos manter a pressão e não dar aos elementos criminosos nenhuma oportunidade."

A China tem se esforçado para acabar com as violações à segurança alimentar no vasto setor de alimentos, apesar das duras punições e às reiteradas promessas a lidar com o problema.

Mais conteúdo sobre:
CHINASEGURANCALIMENTAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.