China dispara alarme antiaéreo simulando ataque de Taiwan

Foram três alertas em um período de 23 minutos entre os arranha-céus de Lujiazui, em Xangai

EFE

15 de setembro de 2007 | 07h04

A China promoveu neste sábado em Xangai seu maior teste de alarme antiaéreo desde 1949, simulando um hipotético ataque de Taiwan, em cinco distritos, entre eles o emblemático centro financeiro de Lujiazui. As sirenes começaram a soar às 10h (23h de sexta-feira, em Brasília). Foram três alertas em um período de 23 minutos entre os arranha-céus de Lujiazui, cuja arquitetura futurista constitui uma atração turística à parte, ao lado do rio Huangpu, na margem oposta à do centro histórico de Xangai. Pela sua importância e pela proximidade com Taiwan, Xangai é considerado um dos alvos militares mais prováveis em caso de guerra, segundo os analistas militares. A Defesa Civil informou à população dos distritos envolvidos na simulação através dos canais de televisão, segundo os fóruns sobre o tema "Taiwan" do popular portal de internet "Sohu.com". Além disso, as autoridades pediram aos moradores que procurassem não alterar a sua vida normal. O Escritório Municipal de Defesa Civil da metrópole limitou-se a repetir a informação da imprensa oficial, sem confirmar ou desmentir que o teste esteja relacionado com Taiwan, mas a data escolhida coincide com uma manifestação independentista na ilha, convocada pelo Partido Democrata Progressista (PDP). O presidente taiwanês, Chen Shui-bian, do PDP, minimizou na sexta-feira o perigo de um conflito com a China no caso de um plebiscito sobre sua intenção de entrar para a ONU com o nome de Taiwan. A votação está prevista para março.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaTaiwan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.