China diz estar usando moderação em crise no Tibet

A China disse na segunda-feira quemostrou grande prudência para enfrentar os protestos violentosde tibetanos, que o governo chinês afirma terem sidoorquestrados por seguidores do Dalai Lama que buscam ofuscar osJogos Olímpicos de Pequim, marcados para agosto. Mas apesar de o governador do Tibet afirmar que não foramusadas armas contra os manifestantes na capital regional Lhasa,tropas atuaram em regiões vizinhas para garantir o controleapós os protestos. Além disso, Lhasa vivia a contagem regressiva para o fim doprazo, que vence à meia-noite, dado pelas autoridades para queos manifestantes se entregassem ou enfrentassem punições maisduras. O governador do Tibet, Qiangba Puncog, disse que asmanifestações foram provocadas por seguidores do Dalai Lama."Nesse momento um pequeno grupo de separatistas e elementosfora-da-lei se engajam em atos extremistas com o objetivo degerar ainda mais publicidade para prejudicar a estabilidadedurante o período crucial dos Jogos Olímpicos --mais de 18 anosde estabilidade duramente conquistada", disse. Um tibetano da região de Aba, em Sichuan, disse que novosprotestos aconteceram próximos a duas escolas tibetanas nasegunda-feira, com centenas de estudantes enfrentando policiaise soldados. O morador, que pediu para não ter seu nome revelado, disseque 18 pessoas, entre elas monges budistas e estudantes, forammortas quando soldados abriram fogo contra eles no domingo.Mais cedo, segundo ele, um policial foi queimado e morto. Seusrelatos não puderam ser imediatamente checados. Representantes tibetanos exilados em Dharamsala, na Índia,disseram no domingo que o número de mortos na repressão aosprotestos é de 80. Mas Qiangba Puncog disse que somente 13 "civis inocentes"foram mortos e dezenas de integrantes das forças de segurançaficaram feridos em Lhasa. "Posso dizer com toda responsabilidade que não usamos armasletais", disse ele em Pequim, acrescentando que somente gáslacrimogêneo e canhões de água foram usados para debelar asmanifestações. (Resportagem adicional de John Ruwitch em Sichuan, BenjaminKang Lim e Guo Shipeng em Pequim, Jonathan Allen emDharamsala)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.