AP Photo/Jorge Saenz, Pablo Martinez Monsivais, Luis Hidalgo
AP Photo/Jorge Saenz, Pablo Martinez Monsivais, Luis Hidalgo

China diz que há ‘objetivo político futuro’ em visita de líder de Taiwan aos EUA em janeiro

Apesar de ainda não ter sido confirmada oficialmente, Tsai Ing-wen faria uma escala no território americano antes de realizar um giro pela América Latina

O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2016 | 11h02

PEQUIM - O governo chinês denunciou nesta quarta-feira, 7, que existe um “objetivo político futuro” na escala que a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, fará nos EUA em janeiro a caminho de um giro que realizará pela América Latina.

Com o telefonema do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, a Tsai na sexta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, mencionou em uma coletiva de imprensa o mal-estar sentido por Pequim com a aproximação entre a ilha e a futura gestão de Washington.

Ainda que não tenha havido uma confirmação oficial, veículos de imprensa taiwaneses informaram na terça-feira que a líder do país visitará a América Latina em janeiro, fazendo uma escala nos EUA, para assistir à tomada de posse do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, e em seguida irá para Guatemala e El Salvador.

“As pessoas relevantes de Taiwan sempre realizaram esses truques, como a chamada ‘diplomacia de transição’. É óbvio para todos o objetivo político futuro”, afirmou Lu, que se recusou a responder se a China havia pedido aos EUA que cancelassem a escala de Tsai.

“Nossa posição é muito clara: só há uma China. E o Governo da República Popular da China é o único meio legítimo para representar o país. Isso é um consenso da comunidade internacional”, explicou o porta-voz.

Lu insistiu que “manter o princípio de ‘uma só China’ é uma pré-condição política ‘necessária e importante’ para que outros países desenvolvam suas relações com o país.

A viagem de Tsai pela América Latina ocorre em um momento de tensão nas relações entre China e Taiwan, que vinham se deteriorando nos últimos meses. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.