China diz que maioria de manifestantes tibetanos foram soltos

A China soltou a maioria das 1.315pessoas detidas nas manifestações do Tibet por que seus delitoseram leves, disse uma autoridade nesta sexta-feira. Tribunais no Tibet já condenaram 42 pessoas por crimescomo incêndio culposo, roubo, e organização para ataques aorganizações estatais, disse Palma Trily, vice-diretorexecutivo do governo do Tibet segundo a agência de notíciasXinhua. Mais 116 pessoas estão detidas e aguardam julgamento, e1.157 foram soltas, disse o oficial. Palma Trily falou depois que o grupo de direitos humanosAnistia Internacional alegou em um relatório na quinta-feiraque mais de 1.000 pessoas estavam detidas sem acusação noTibet, desde a ocorrência das manifestações. A China disse que o relatório não tinha "um traço decredibilidade". Das 42 pessoas sentenciadas, 30 foram presas e cumprirãopenas entre 3 anos e prisão perpétua, de acordo com autoridadeschinesas. As outras 12 pessoas foram condenadas no final destasemana sem que os crimes e sentenças fossem especificados,disse a Xinhua. Autoridades chinesas dizem que 19 pessoas morreram nasmanifestações ocorridas na capital tibetana de Lhasa nos dias14 e 15 de março. O presidente do parlamento tibetano no exílio disse nasexta-feira que a operação de segurança chinesa em resposta asmanifestações matou pelo menos 209 pessoas que protestavamcontra o governo. (Reportagem de Andrew Torchia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.