China diz que quer trabalhar com os EUA contra a crise

China e EUA devem trabalhar juntos para garantir a estabilidade econômica e financeira global, disse o vice-primeiro-ministro chinês, Wang Qishan. Ambos os países devem agir para restaurar a confiança do mercado o mais breve possível e para reduzir o impacto da crise financeira sobre as economias em desenvolvimento, afirmou Wang no discurso proferido durante a sessão de abertura do 5º Diálogo Econômico Estratégico EUA-China. O encontro de dois dias, realizado a cada dois anos, é co-presidido por Henry Paulson, em sua última participação no evento como secretário do Tesouro dos EUA. A China espera que os EUA adotem todas as medidas necessárias para estabilizar a economia e o mercado financeiro norte-americanos, acrescentou Wang. Ele também pediu que o governo norte-americano garanta a proteção dos ativos e investimentos chineses nos EUA. No fim de setembro, a China tornou-se oficialmente o maior detentor de títulos do Tesouro norte-americano, com um total de US$ 585 bilhões em Treasuries, superando o Japão como principal credor de Washington. Para isso, a China gasta grande parte de seu enorme superávit comercial, mas nos círculos políticos e acadêmicos do país começa a surgir a crítica de que esse investimento já não é tão seguro. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.