China diz que vai punir empresas que prometem, mas não doam

A China vai punir e divulgar os nomesdas empresas que prometeram doações para os esforços de auxílioàs vítimas do terremoto, mas depois não cumpriram suaspromessas, disse uma autoridade do governo nesta sexta-feira. Um tremor de magnitude 7,9 atingiu a Província de Sichuanno dia 12 de maio, matando quase 69 mil pessoas. Em seguida,pessoas e empresas ofereceram dinheiro ou outros artigos, comobarracas, comida e remédios. Ao todo, o governo chinês recebeu até agora 5,09 bilhões dedólares em doações, tanto em dinheiro quanto em itens deemergência. Um terço dessas doações já chegou às áreas afetadaspelo tremor. Mas algumas das doações prometidas ainda não chegaram. "O Ministério dos Assuntos Civis resolveu dar um ultimatono dia 28 de abril às empresas que ofereceram ajuda, masatrasaram a entrega", disse Pang Chenmin, vice-chefe doescritório de atendimento a desastres, em uma coletiva deimprensa. "Se (a ajuda) não chegar, o destinatário tem o direitode cobrar o pagamento e informar o público da formaapropriada", disse Pang, sem dar mais detalhes. Na Internet, propagam-se as denúncias de empresas"mesquinhas", tanto chinesas quanto estrangeiras, apesar dogoverno, da mídia estatal e das próprias empresas negarem ocaso. Na mesma coletiva, a Cruz Vermelha chinesa também negou os"rumores" de que suas doações foram comprometidas pelodesperdício e pela corrupção. "As regras estão sendo seguidas estritamente", disse umcomunicado da Cruz Vermelha. "O uso do nome da Cruz Vermelhapara levantar fundos, lucrar ou espalhar notícias falsas é umcrime. Esperamos que o povo fique atento e nos ajude adenunciar os casos aos departamentos do governo", acrescentou. (Reportagem de Ben Blanchard)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.